quinta-feira, 29 de maio de 2008

A ANTIPARTÍCULA DIANTE DE ANTIGOS ENSINAMENTOS


Antimatéria ou antipartícula não poderia ser também o perispírito proposto pelo Espiritismo?
Leonardo Leonardo Machado*
----------
E.T.: no final desta tem um link interessante

Desde todo o sempre a criatura humana foi chamada à atenção para a realidade invisível de outras dimensões. E, como os antigos já sabiam desta verdade, não tardaram em complementá-la com o legado do espírito, a essência individual.
Krishna, a esse respeito, é objetivo em sua explicação à arjuna – “perecíveis são os corpos, esses templos do espírito; quem pensa é a alma, o Eu; atua a matéria em virtude do seu poder interno, construindo formas mutáveis; o espírito que nela habita e fecunda faz com que ela experimente prazer e sofrimento”.
Lao-tsé, por sua vez, no seu poema vinte e cinco, diz – “ nas profundezas do Insondável, jaz o Ser”. Podendo-se interpretá-lo, não somente como o Universo e Deus, mas também como o corpo e o espírito.
Buda, a seu turno, despedindo-se dos seus discípulos, obtemperou – “ a morte é apenas o desaparecimento do corpo físico; este corpo nasce de pais e se mantém com alimentos; por isso, a doença e a morte lhe são inevitáveis; Buda não é um corpo físico; o corpo físico perece; aquele que apenas vê o meu corpo não me vê realmente”. Ou, ainda, em outra ocasião, enunciou – “tudo é mutável, todo aparece e desaparece; só poderá haver a bem-aventurada paz quando se puder escapar da agonia da vida e da morte”.
Sócrates e Platão, aos seus tempos, defenderam que a alma era imortal, porque “cada corpo movido de fora é inanimado. O corpo movido de dentro, contudo, é animado, pois que o movimento é a natureza da alma. E o que a si próprio se move é imortal”. Identificavam Deus como sendo o movimento primordial do universo, e o espírito pequena parcela de movimento que veio do Gerador de tudo. Desse modo, segundo eles, o verdadeiro filósofo não devia temer a morte.
O Mestre Jesus, por sua vez, dissera: “não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma”. Ou, ainda, conversando com Nicodemos, obtemperara – “ o que nasce da carne é carne, mas o que nasceu do espírito é espírito”.
Um dos mais notáveis discípulos do Cristo, Paulo de Tarso, igualmente, ensinara – “se há corpo material, há também o corpo espiritual; pois nem todos os corpos são da mesma natureza. Importa que esse corpo corruptível revista a incorruptibilidade, e que esse corpo mortal revisa a imortalidade”.
O Espiritismo, a seu turno, explica que “os seres materiais constituem o mundo visível ou corpóreo, e os seres imateriais, o mundo invisível ou espírita, isto é, dos Espíritos”; e que “os Espíritos revestem temporariamente um invólucro material perecível, cuja destruição pela morte lhes restitui a liberdade”. Kardec elucida, ainda – “a morte é a destruição do envoltório corporal; a alma abandona esse envoltório como troca a roupa usada, ou como a borboleta deixa sua crisálida; mas conserva o seu corpo fluídico ou perispírito”. Deixando claro, outrossim, que a “alma é assim um ser simples; o Espírito um ser duplo e o homem um ser triplo. Seria mais exato reservar a palavra alma para designar o princípio inteligente, e o termo Espírito para o ser semimaterial formado desse princípio e do corpo fluídico; mas, como não se pode conceber o princípio inteligente isolado da matéria, nem o perispírito sem ser animado pelo princípio inteligente, as palavras alma e Espírito são, no uso, indiferentemente empregadas uma pela outra; é a figura que consiste em tomar a parte pelo todo, do mesmo modo por que se diz que uma cidade é povoada de tantas almas, uma vila composta de tantas famílias; filosoficamente, porém, é essencial fazer-se a diferença”.
Pode ser, porém, que tu te estejas perguntando – “tudo bem filosoficamente, o que nos indagamos até aqui é uma conseqüência natural da existência de uma outra dimensão; mas será que existe algum dado científico que possa sustentar estes ensinos”?
A resposta, no entanto, será um objetivo sim.
Em 1927, o famoso físico alemão Werner Karl Heisenberg formulou um interessante princípio, o qual ficou conhecido como o Princípio da Incerteza. Este postula que não se pode determinar com exatidão a posição e a velocidade de um objeto com precisão infinita ao mesmo tempo: ou se saberá mais de um, ou mais de outro.
Tal teoria, a primeira vista, pode ser considerada muito simples. Contudo é extremamente revolucionária se for aplicado a outras situações, e mesmo nesta original. Dentre as inúmeras contribuições, ela foi a base para se instituir o Paradigma /quântico. Este diz ser impossível predizer um único resultado definido para uma observação; pelo contrário, a ciência pode predizer vários desfechos possíveis diferentes, informando-nos qual a probabilidade de cada um deles ocorrer.
O norte-americano Richard Feynman, por sua vez, aplicando este princípio ao elétron descobriu que, mesmo num espaço vazio, pares de partícula/antipartícula virtuais existe. Esta conclusão ficaria conhecida como sendo o Diagrama partícula/antipartícula virtual de Feynman. Com isso, atualmente, sabe-se que toda matéria possui uma antimatéria virtual portadora também de energia, desde os seus níveis mais microscópicos até os seus estágios mais macros. A questão é que esta última não pode ser detectada pelas máquinas atuais. Entretanto, seus efeitos diretos podem ser medidos. Assim, utilizando-se de sua mais alta capacidade de elucubração, os cientistas conseguiram deduzir a existência dela, pelos efeitos, sem precisarem vê-la.
Ora, esta antimatéria, ou antipartícula, não poderia ser também o corpo espiritual, ou o perispírito proposto pela Doutrina Espírita? Na sombra destas descobertas quânticas, não encontramos o lugar comum dos ensinos antigos acerca da essencial espiritual invisível do ser?
De nossa parte, esposamos a mesma opinião do psiquiatra Jorge Andréa, quando este fala sobre “a existência desses dois campo em convívio equilibrando-se mutuamente”, complementando que, “na posição humana”, o “nosso arcabouço físico seria constituído às expensas de átomos com suas partículas e os campos perispirituais (zona de transição entre o espírito e matéria) participariam de uma estruturação de antipartículas do campo de antimatéria”. E, tendo em visa que a alma está intimamente ligada ao perispírito, formando o complexo conhecido como espírito, esta antimatéria formando esta estrutura sutil, igualmente, convergiria para a aceitação deste ser fundamental e real.



Revista Internacional de Espiritismo, - abril 2008

*O autor é estudante de medicina da UPE, compositor erudito, escritor e orador espírita e trabalhador do Núcleo espírita Investigadores da Luz – NEIL, em Recife, PE.

Bibliografia

1. Krishna. Bhagavad Gita. Tradução de Huberto Rohden. 1ª. Edição –São Paulo: Editora Martin Claret, 2005, p.22-23, ; cap. 2, v. 18 e 19; cap. 13, v.21.
2. Lao-Tse, Tao Te Ching – o livro que revela Deus. Tradução Huberto Rhoden. 1ª.Edição São Paulo: Editora Martin Claret, 2005, p. 75, poema 25.
3. Gautama, Siddharta. A Doutrina de Buda. Tradução de Jorge Anzai. São Paulo, Editora Martin Claret, 2005, parte 1, capt. 1, parte II, ponto 5, p. 23; e parte 3, capt. II, parte IV, ponto 7, p. 126.
4. Platão. Fedro. Tradução: Alex Marins, São Paulo: Editora Martin Claret, 2002, p.81-82
5. Platão. Fedon – diálogo sobre a alma e morte de Sócrates. Tradução de Miguel Ruas. São Paulo: Editora Martin Claret, 2004, p.22-23.
6. São Mateus, 10:28
7. São João 3:6
8. 1ª. Epistola Paulo aos Coríntios, 15:44 e 53
9. Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos 76ª. Ed. Rio de Janeiro: FEB, introdução ponto V, p.28
10. Kardec Allan. Resumo da lei e dos fenômenos espíritas. 28ª. ed. Araras: Instituto de difusão espírita, 1993, capítulo I, ponto 5. P-209.
11. Kardec, Allan.O que é o Espiritismo 52ª. Ed. Rio de Janeiro:FEB, capt. 2, ponto 14, p.155.
12. Hawking, Stephen; Miodinow, Leonard. Uma nova história do tempo. 1a. ed. 1ª. reimpressão. Rio de Janeiro: Ediouro 2005, p.97,126,127.
13. Andréa, Jorge. Enfoques científicos na Doutrina Espírita, 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Sociedade Lorenz, 1991, p. 183
-----------------------------------
Um bom artigo (não espírita) sobre a Antimatéria está na pág: http://sofadasala.vilabol.uol.com.br/noticia/29092006.htm

Um comentário:

Helena disse...

qual a passagem do verso: pois nem todos os corpos são da mesma natureza. Importa que esse corpo corruptível revista a ?